Acese solicita mais segurança para os comerciantes do Centro

Por: Assessoria Acese

os dois primeiros meses mais de 20 lojas foram arrombadas na região, causando vários prejuízos. O início do ano tem sido de preocupação para os comerciantes do Centro de Aracaju. O suspeito de cometer esses crimes chegou a ser preso esta semana. Contudo, o clima de insegurança continua e os empresários temem novas ações dos meliantes.

 

Diante desta situação, Marco Pinheiro, presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese), resolveu solicitar o apoio dos órgãos de segurança. Está marcada para a próxima terça-feira, 23, uma reunião com representantes da Polícia Militar e da Guarda Municipal com o objetivo de mostrar a gravidade do que vem ocorrendo e pedir mais segurança no Centro.

 

“Infelizmente, vários casos de violação de estabelecimentos aconteceram em um espaço de poucos dias. É urgente a necessidade de intensificar as rondas na região, principalmente durante a noite, quando os arrombamentos estão ocorrendo. Esperamos colocar esse pleito na conversa que teremos na próxima semana com a PM e a Guarda”, afirma Pinheiro.

 

E não é somente na escuridão da noite que os marginais têm agido. Vários são os casos de furto de produtos nas lojas – muitos deles registrados pelas câmeras de segurança. Para Marco Pinheiro, aumentar o policiamento durante o dia pode inibir a ação dos criminosos. “Muitos pensarão duas vezes antes de agir ao ver a polícia rondando o Centro”, analisa.

 

Apesar dos constantes episódios de invasão e furtos, muitos comerciantes não estão prestando boletim de ocorrência. O presidente da Acese lembra a importância de que as informações sejam repassadas para a polícia de forma a indicar os crimes que estão acontecendo no Centro. “É uma forma de mostrar para a PM que a região precisa de um cuidado maior”, assegura.

 

“A situação é grave, mas sabemos que as forças policiais trabalham com informações e planejamento. Se os arrombamentos são frequentes, os comerciantes precisam expor isso por meio do boletim de ocorrência. É uma ajuda que todos estarão dando e, de quebra, vamos garantir mais segurança para os estabelecimentos”, finaliza Pinheiro.