Palavra do Presidente

Discurso do Presidente da ACESE Alexandre Santana Porto durante solenidade de posse para o biênio 2011/2013

Alexandre Porto no dia de sua posse

Boa noite a todos!


Esta semana comentando em casa de como começar o meu discurso de posse, o meu filho João Alexandre sugeriu: “porque não começa agradecendo os votos que teve na eleição”.


Em homenagem a ele vou começar agradecendo às pessoas que votaram em mim. É bom lembrar que uma eleição com chapa única desmotiva as pessoas a ir votar. Muitos acham que foi fácil, mas não foi. Foram cinco meses de entendimento até chegar ao consenso da chapa única. Gostaria de agradecer a Jorge Santana e a Lauro Vasconcelos pelo apoio durante estas negociações.


Em 26 de maio de 1872, era fundada a Associação Comercial de Sergipe.  Ao longo desse tempo a Associação Comercial viveu gestões muito marcantes e outras muito silenciosas.  Mas, sempre defendeu os interesses dos seus associados e ao longo da sua história adquiriu o respeito do poder publico e da sociedade.


Nos últimos 20 anos, a ACESE tem vivido momentos muito importantes da sua história, desde a gestão de Pradinho, que teve o grande feito de recuperar o prédio símbolo da nossa entidade, que em agosto desse ano completará 85 anos da sua construção.


Uma entidade que pode contemplar, conforme seu estatuto, todas as atividades econômicas, podendo ser associados, empresas do comércio, prestação de serviços, indústria, profissional liberal, agricultor, pessoa física, qualquer empreendedor.


Parece ser fácil chegar a tão importante posto, mas quando olho para trás, vejo as dificuldades que atravessei e os apoios que tive.  Nessa minha jornada empresarial e institucional, muitas pessoas me ajudaram a construir o sucesso dos meus negócios e o sucesso na militância empresarial.


Assumo uma instituição com 138 anos de fundada, com 638 sócios atualmente, um portfólio de serviços construído ao longo dos últimos anos, uma forte representatividade junto ao poder público e uma imagem respeitada perante a classe empresarial e toda a sociedade.  Honrarei essa história e darei minha contribuição na construção de novos projetos e novas ações.


Apesar da pouca idade, me sinto preparado para assumir tamanha responsabilidade.  Desde muito jovem aprendi a ter responsabilidade e descobri que nós somos capazes de construir nosso futuro.  Como já foi dito na leitura do meu currículo, passei por várias entidades empresariais, estou nesta casa há oito anos discutindo e participando das decisões e dos projetos.  Estive durante um ano e meio do outro lado do balcão, auxiliando o governo na tarefa de ajudar o estado a se desenvolver.  Como adjunto do secretário Jorge Santana dei minha contribuição e aprendi muito, ganhei muita experiência e conhecimento.


Assumir a ACESE é uma grande missão.  Mas chego nesse momento com muito entusiasmo.  Sabendo que sou capaz, ao lado dessa diretoria, de vencer esse desafio, de construir uma ACESE ainda melhor. Ainda mais forte. Ainda mais respeitada!


Tenho orgulho de fazer parte da ACESE e mais orgulho ainda, em liderar o seu destino nos próximos dois anos.  Assumo com o compromisso de me dedicar e trabalhar a serviço do nosso associado e de toda a classe empresarial.


Teremos nessa gestão, dois grandes eixos de atuação: ampliação de serviços aos associados e defesa do setor empresarial visando o crescimento da atividade empresarial.


No caso do primeiro eixo – não tenho como fazer muitas promessas. A ACESE tem poucos recursos, vive da contribuição que é de valor baixo.  Mas temos muitas idéias e projetos.


Pretendemos ampliar o portfólio de serviços, oferecendo mais serviços e encontrando melhores negociações com os atuais.  Fechamos na última sexta- feira a continuidade da parceria com a Unimed - que havia sido cancelada em dezembro.  Ainda essa semana, estaremos oficializando aos associados as novas bases do acordo.  Além disso, estamos em tratativas finais com o Plano Hapvida para oferecer outra opção para nosso associado.


Pretendemos fazer parcerias com hotéis, companhias aéreas, supermercados, cursos de idiomas, faculdades, farmácias, entre outros, criando o catálogo de serviços aos associados, com todo o detalhamento dessas parcerias, sejam em desconto, sejam em condições diferenciadas.


Daremos continuidade aos eventos: Café com Negócios e Almoço com Empresários.  São cinco Cafés, sempre trazendo temas macro e dez almoços, onde trazemos palestrantes que falem do dia-a-dia da atividade empresarial.  Este ano teremos vários temas para discutir em nossos eventos: entre eles a Reforma Tributária e a Nota Fiscal Eletrônica Municipal.  Aceitamos sugestões dos associados.


Uma novidade nos nossos eventos será implantada.  Primeiramente vamos mudar o ambiente, passaremos a fazê-los aqui neste salão, mais confortável e espaçoso. Segunda e principal mudança - criaremos um novo ambiente para networking entre as empresas.  Muitos associados não conhecem o que o outro associado oferece.  Queremos construir a idéia de rede.  O associado ACESE pode e deve conhecer o outro, fazer negócios.  Para isso, em cada evento teremos de 10 a 15 balcões onde a empresa estará expondo seus serviços ou produtos, visando manter contatos com clientes e parceiros.  Uma espécie de feira ou rodada de negócios.  Com isso, nossos eventos além de trazer conteúdo com as palestras, integração com o convívio, trará também a possibilidade de realizar negócios entre os associados.  


Manteremos todos os demais serviços já existentes e buscaremos ampliá-los, na medida do possível.


Tenho uma meta: deixar a ACESE com 2000 sócios daqui a dois anos. E para isso, vamos às ruas convidar as empresas, oferecer serviços que justifiquem a participação dessas empresas dentro da entidade. Convidem empresas amigas, quem não for sócio pode se associar hoje.


Buscaremos ampliar o empreender e construir novos núcleos e para isso, vamos contar com a parceria do SEBRAE e da SEDETEC.  Essa é uma grande ferramenta para atrairmos mais associados e ajudá-los a se fortalecer como atividade econômica.


Daremos mais apoio à Câmara de Mediação e Arbitragem - CAMAE.  Para isso é que buscaremos o apoio do Poder Judiciário e da OAB, estabelecendo uma nova relação de parceria com essas instituições e incentivando esse novo caminho da conciliação e dos métodos extra judiciais.


Incentivaremos ainda mais o Conselho de Jovens Empreendedores, que tem na presidência o jovem Iedo Flávio e inovaremos, trazendo experiências de outros estados e criando o Conselho da Mulher Empresária.


Viabilizaremos muitas parcerias, seja com governo, seja com instituições financeiras, seja com o Sistema S. Temos muita disposição para trabalhar e o networking das empresas, mas nos faltam recursos.  Vamos passar o pires para todos.  Nos recebam, e se possível, nos ajudem.  Garanto que os resultados serão bons.  Aproveito para lembrar que estamos em fase de captação de patrocinadores para nossos almoços e cafés.  Alguns já confirmaram e eu gostaria de agradecer o apoio: Banese Card, Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Energisa, Oi e SERGAS.  Os demais ainda estamos aguardando resposta.      


Não discutiremos somente crescimento econômico, discutiremos parcerias em projetos de diversas áreas, a exemplo:


Inclusão Social – estamos nos somando a várias entidades empresariais e ao Sergipe Solidário que ajudará os nossos irmãos sertanejos.  Ao longo da sua história a Associação Comercial sempre se envolveu em questões assistenciais, tendo sido muito importante em décadas passadas a exemplo da segunda guerra mundial.


Educação – queremos discutir os projetos de qualificação e capacitação dos nossos jovens, eles serão os empreendedores do futuro ou os colaboradores das nossas empresas.  É importante orientá-los melhor, despertar neles o espírito empreendedor.


Cultura – incentivar a cultura é oferecer oportunidade à sociedade de conhecer nossa história, nosso patrimônio, costumes e gostos.  Incentivaremos a participação de empresários em projetos culturais.


Nessa gestão, estabeleceremos uma nova relação com os poderes públicos.  Hoje, a ACESE já tem uma boa relação com os Poderes Executivos Estadual e Municipal.  Manteremos essa relação e estreitaremos as relações com o Poder Legislativo na discussão de leis que tratem de questões empresariais e com o Poder Judiciário através do fomento a Câmara de Mediação e Arbitragem.  Espero contar com o apoio dos presidentes da Assembléia, dep. Angélica Guimarães e do presidente do Tribunal de Justiça, des. José Alves Neto.


Do mesmo modo, pretendemos ter uma relação mais estreita com nossos parlamentares federais para defender leis que impulsionem o desenvolvimento da atividade econômica.


O fato de estabelecermos diálogo e parcerias com o poder público não significa que seremos subordinados e que nos calaremos diante das injustiças.  Quando o interesse da classe empresarial estiver em jogo, seremos combativos, determinados, com civilidade e responsabilidade, mas, sempre na defesa dos nossos associados.


Segundo grande eixo de atuação – temos muitas questões a defender, que interessa à classe empresarial e que ajuda o país e o estado a se desenvolverem.


Governador Marcelo Déda, trago aqui três questões de grande importância para a classe empresarial sergipana:


É importante para as empresas que o teto estadual para enquadramento no Simples seja aumentado.  As empresas estão aumentando o seu faturamento, fruto não só do crescimento da economia, mas, em função do aumento de preços dos produtos e quando se desenquadram perdem competitividade.  Peço que reanalise o teto estadual do Simples.  Saímos na vanguarda há três anos, sendo um dos primeiros estados a fazer adequação ao Simples Nacional e hoje estamos defasados.


É preciso, governador, rediscutir a lei que criou o FINAT essa lei incentiva o auditor fiscal a aplicar multas no empresário, pois parte da multa vai para o bolso dos fiscais.  Prejudica o empresário que, mesmo estando correto, precisa se defender, perde tempo buscando documentação, gasta dinheiro com advogado e vive uma pressão psicológica, sendo tratado como devedor das suas obrigações.  Essa lei é um atraso ao desenvolvimento.  Peço governador que seja feito um estudo no sentido de acabar com esse benefício.  O pequeno empresário está sofrendo.


Governador, estamos preocupados com a segurança dos nossos estabelecimentos.  Colocamos câmeras, alarmes e ainda assim, tem sido comum a criminalidade atingindo nossas empresas e nossos clientes.  Queremos estabelecer um diálogo para encontrar as soluções para melhoria do policiamento ostensivo nos principais centros comerciais, seja na capital, seja no interior.  Estamos abertos a discutir para apoiar a Polícia Militar e encontrar a melhor solução.


Aos nossos parlamentares federais peço coerência.


Coerência para não permitir que o povo que lhes elegeu seja penalizado com a volta da CPMF, disfarçado de outro nome.  Isso é punir o povo com mais um tributo, aumentado ainda mais os custos dos produtos.


Coerência em não permitir que a jornada de trabalho nesse país seja reduzida.  Não podemos aumentar a despesa das empresas.  Isso gerará demissões, que acarretará perda de poder aquisitivo da população e consequentemente uma recessão. O que gera emprego é o crescimento da economia, vejam os exemplos de 2010, recorde de contratação.  Temos sim, que incentivar o desenvolvimento dos negócios e com isso gerar mais empregos.


Coerência em levar adiante a Reforma Tributária.  Não podemos viver numa economia em que cada estado tem uma legislação diferente para o seu ICMS, num país onde mais de 40% do PIB são de impostos, a grande vítima é a sociedade de baixa renda, que paga seus impostos em cada produto que consome.


Em Aracaju, prefeito Edvaldo Nogueira, precisamos estudar redução de ISS para algumas atividades econômicas que necessitam de incentivo para se desenvolver, a exemplo do turismo.  Muitas capitais brasileiras usam a prerrogativa de reduzir o ISS até 2% para incentivar o crescimento.  Firmamos esse compromisso há dois anos, e gostaria de ver esse nosso pleito atendido ainda esse ano.  


São muitas as demandas e as tarefas, tentarei, ao lado da diretoria, cumprir toda a missão que temos pela frente.  Chegar até aqui não foi tarefa fácil e, tenho que agradecer a muitas pessoas:


Deus – pela saúde, sabedoria e a capacidade de fazer escolhas certas;


Família – educação, apoio, paciência e dedicação, por entenderem a minha ausência em momentos da vida dos meus filhos, para me dedicar ao trabalho;


Aos Empresários que aprovaram meu nome;


A minha diretoria e conselho que aceitaram estar ao meu lado nessa empreitada;


Aos amigos, aos colaboradores das empresas que dirijo, aos colaboradores da ACESE;


Imprensa e demais instituições. Às mensagens de congratulações recebidas;


Queremos agradecer aos apoiadores desta solenidade:


Mercure Hotel, Fasouto, Infographics, Superlux, Prevdonto, Mercado Comunicação, Videojan, Imagem Produções, Artstand, Daniel
Iluminação, Êxito Eventos.


Por fim, deixo uma mensagem a todos que aqui estão.  É preciso mudar um conceito que me incomoda em nossa sociedade. O conceito de que empresário é sonegador, empresário é explorador, empresário é tudo de ruim que possa existir. O empresário é sempre do mal. Porque esse conceito foi criado?  Precisamos mudar isso.


Eu digo: empresário é quem faz esse país girar, é quem emprega o povo, é quem tem coragem de enfrentar os obstáculos, os altos impostos, uma legislação trabalhista que lhe pune severamente.  Ser empresário é um orgulho para mim e enquanto eu estiver na presidência da ACESE valorizarei sempre o empreendedor, o corajoso que se larga num mundo desconhecido, com tantos obstáculos e ainda assim, consegue crescer.


Viva ao empreendedorismo!


Viva a atividade empresarial!


Viva a ACESE!



Comente via Facebook