Notícias

Entidades de Classe se reúnem com Setransp para apresentação dos custos da passagem de ônibus

Foi com o objetivo de destrinchar os custos do transporte coletivo urbano que a Acese (Associação Comercial e Empresarial de Sergipe), CDL (Câmara de dirigentes Lojistas) e Fórum Empresarial de Sergipe participaram de uma reunião técnica com o presidente do SETRANSP (Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Aracaju), Alberto Almeida, onde foi feita a apresentação de uma da planilha de custos na formação do preço das passagens do transporte na grande Aracaju.

Segundo números apresentados pelo Setransp, os custos para a circulação dos ônibus coletivos estão distribuídos entre despesas com combustível, óleos lubrificantes, peças e acessórios, responsáveis por 31,85% dos custos. O pagamento de pessoal e custos da depreciação dos equipamentos são responsáveis por 56,75% deste valor e 11,40% são distribuídos em impostos. Outros indicadores no aumento do custo do transporte é a redução no número de passageiros pagantes e o aumento dos passageiros isentos, como é o caso de idosos e portadores de deficiência.

O Presidente do Setransp, Alberto Almeida diz que sempre existe sempre uma suposição do que é o cálculo tarifário e que parece que é uma caixa preta, como se não houvessem critérios, leis ou regras. Na verdade, existe uma legislação que determina que eu calcule a tarifa daquela forma. A apresentação para o empresariado é muito importante, porque mais pessoas passam a saber como se faz o cálculo da tarifa. Eu acredito que essa apresentação deveria ser colocada na mídia, para que as pessoas que quisessem acessar fossem tirar as suas dúvidas. Com isso, acabaria com essa dificuldade. Nosso negócio é igual ao comercio, onde existe a receita e custos”, declara.

“A maior dificuldade hoje é que o negócio não tem autonomia no estabelecimento de preços. Uma economia onde o governo diz o que posso cobrar, o momento que posso dar aumento e até onde posso chegar. Só que na maior parte das vezes o governo não faz a conta real do que eu preciso para pagar as minhas contas, reforça.

Para o Presidente da Acese, Marco Aurélio Pinheiro, os valores apresentados na planilha estão dentro do imaginado. “Estamos muito satisfeitos com as informações que recebemos, que foram muito claras e objetivas. A realidade está dentro do que esperávamos e a realidade é muito dura, onde os custos das empresas são enormes. O setor empresarial vai se posicionar cobrando do setor público, de forma que ele possa auxiliar as empresas na redução de alguns destes impostos, para que o repasse não seja tão elevado”, declara.

Presenças

Participaram da reunião o Presidente da CDL, Brenno Barreto, o presidente da Acese, Marco Aurélio Pinheiro, do Fórum Empresarial, Susana Nascimento, do Sindipese, Flávio Andrade, o vice-presidente da Acese, Robson Pereira, o assessor técnico da Acese, Márcio Monteiro, os diretores da CDL, Simone Frederico e Elisson Bonfim, o diretor do Fórum Empresarial, Alexandre Porto e Alberto Freira, da AracajuCard.

 

Publicado em 02/08/2017



Comente via Facebook